terça-feira, 20 de julho de 2010

Por que ninguém quer compromisso? - Rosana Braga

Parece que as prateleiras estão cada vez mais abarrotadas deste “empoeirado produto”: compromisso! Virou moda não querer... dispensar... E quem se arrisca a assumir algum, parece ficar um tanto deslocado, sem saber como agir, pra onde ir, com quem falar...

Mas será mesmo que se comprometer é uma opção? Não lhe parece que o compromisso é condição inata? Não estar comprometido com alguém ou alguma coisa já não seria o próprio compromisso assumido?

Ok, vou me explicar! Por mais que se tente afirmar que a liberdade é o oposto do compromisso, isto não passa de uma ilusão, uma tentativa insana de se apegar a uma condição impossível de existir. Estar vivo já é um compromisso. Não se pode ser livre sem – antes – estar comprometido.

Tá... estou falando mesmo de relacionamentos afetivos, mas também da vida de modo geral. Só se vive, só se faz história, só se deixa marcas quando se assume compromissos. O compromisso de crescer é o primeiro. Andar, falar, escrever, ler, fazer amigos, enfim, amadurecer enquanto pessoa.

Depois, os amores, as paixões, as relações. Dentre isso tudo, as decepções, as vitórias, as alegrias e as dores. Tudo isso é vivido como compromisso. Acontece que, de uns tempos para cá, virou moda aderir à comunidade onde a lei é não se comprometer.

As pessoas – e não só os homens – dão-se o direito de fazerem o que quiser, como se isso fosse sinônimo de auto-estima, auto-respeito ou amor-próprio. Não é! Definitivamente, não é nada disso!

Outro dia, ouvi o seguinte: uma mulher conversando com uma amiga. Uma estava contando para a outra que havia reencontrado um ex-namorado, que não via há algum tempo. Ao que a amiga perguntou “e aí, ficaram juntos?”. Ela respondeu “não, não... ele está namorando”. E sabe o que a amiga respondeu, com a boca cheia e até espantada?!? “E daí?!?”

Gente, espantada fiquei eu. Olha, eu realmente não sou pudica nem muito menos santa, mas peraí! Cadê as referências? Cadê os parâmetros? Cadê os corações? Não estou falando de regras hipócritas, mas de escolhas, de ética, de valores, de compromisso!!!

Parece que estamos enxergando o mundo como uma imensa vitrine de doces. Tem vários, um mais apetitoso que o outro. Diversas opções. Difícil escolher, é verdade! E se não bastasse o desejo de comer todos, ainda entramos no conflito de que não queremos engordar; precisamos manter a forma. Daí, acreditamos que dar uma mordida em cada um resolve todos as nossas angústias.

Ou seja, trazendo a metáfora para os relacionamentos, existem muitas pessoas interessantes, que beijam bem, que sabem seduzir e dar prazer... Parece que passamos a acreditar que temos o direito de experimentar todas. Um dia cada uma. E, ao mesmo tempo, não queremos nenhuma. Não assumimos nenhuma.

Sustentamos a falsa impressão de que isso satisfaz muito mais do que escolher apenas um doce, mas sabemos – e sentimos! – a real conseqüência desta imprudência: uma baita dor de estômago e uma “senhora dor de barriga”. As sensações de solidão, vazio e incompetência só aumentam.

Não estou sugerindo que todo mundo deva assumir um compromisso agora e nunca mais ‘ficar’ com ninguém. Não se trata de radicalismos ou extremismos. Sugiro apenas uma reflexão: será mesmo que você não quer comer doce ou será que quer todos?

Sinto muito em dizer, mas ninguém pode ter ‘tudo’ e o ‘nada’ também não satisfaz! Chega o momento em que temos de fazer escolhas, porque são elas que nos permitem amadurecer, evoluir e ser felizes. Minha sugestão é para que você se comprometa e aponte o doce que realmente quer. Saboreie-o com calma, sentindo a deliciosa oportunidade de se comprometer com ele.

Entregue-se a esta escolha e usufrua do sabor peculiar e imperdível que pode existir no amor...

Rosana Braga
Escritora e Consultora em Relacionamentos. Palestrante na área de Desenvolvimento Profissional e Relacionamentos Interpessoais.
www.rosanabraga.com.br



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails