terça-feira, 20 de julho de 2010

Viver Sozinho: Opção ou Fuga? - Katia Horpaczky

Nos dias de hoje, vem surgindo um ser humano mais independente e mais auto-suficiente e isso leva a transformações na maneira de encarar o viver a dois, os vínculos e as relações familiares.
As pessoas estão se habituando, cada vez mais, a estar sozinhas: ouvem música em seus headphones, ficam menos tempo à volta da mesa com os familiares, pois existem os congelados e o microondas para facilitar os diferentes horários da casa, passam horas em seus computadores e é comum cada pessoa da família ter em seu quarto, um vídeo acoplado ao seu aparelho de televisão próprio.
Além do hábito, portanto, aparece a necessidade de se tornar mais independente e, mais que isto, o prazer de estar sozinho diminuindo bastante a disponibilidade em fazer concessões, formar novos vínculos.
Anteriormente, as concessões eram fundamentais nos relacionamentos pois ninguém se imaginava vivendo só. Pagava-se qualquer preço para se ter alguém, sujeitava-se a qualquer tipo de relação. Para as mulheres, principalmente, a idéia de estar sem um homem ao lado, sem um companheiro, para ampará-la, protegê-la, era insuportável, até mesmo sinal de fracasso!
Hoje, a mulher trabalha fora, é independente, bem-sucedida e menos vulnerável a estes sentimentos. Hoje, a mulher é capaz de manter o casamento e, paralelamente, criar seus filhos sem tanta necessidade de um homem para garantir-lhe a sobrevivência emocional e financeira.

Novo estilo

Acrescente-se ainda o número cada vez maior das chamadas famílias uniparentais - com apenas um genitor - fugindo ao antigo padrão de um lar formado por casal e filhos. E não nos esqueçamos, também, das mães solteiras que decidiram ter e criar seus filhos sozinhas. Evidentemente, todas estas transformações e opções abalaram o conceito que possuíamos sobre família e vida a dois.
Paralelamente à noção de poder estar sozinho (e bem!), fala-se, como nunca, na busca do amor romântico construído em torno da idealização e não da realidade. Ele nos vende a crença de que o outro é tudo para nós, proporciona a felicidade absoluta e eterna!
Esqueceram-se de ensinar como é difícil para um casal moderno, onde ambos enfrentam uma dura rotina, conciliar as dificuldades do dia a dia com as expectativas exageradas em relação ao estar apaixonado...É certamente complicado ser romântico, depois de um dia exaustivo de trabalho quando tudo o que se quer é chegar em casa, trocar de roupa e, simplesmente, fazer algo de que se gosta para relaxar...
E, se depois deste dia estressante, ainda temos à nossa espera alguém sequioso para bater um papo e relatar-nos como foi no escritório ou como estão as crianças na escola?! Acreditar que o casamento traz a completude ou a plenitude e que viver a dois é a única fonte de realização e prazer é uma idéia que precisa ser revista para não gerar um acúmulo de expectativas, frustrações e desapontamentos.

Manter um relacionamento

O estar apaixonado não pode ser a condição sine qua non para se manter um casamento. Pensar ainda que o modelo de casal ideal é aquele que passa todo o tempo disponível juntos, que abre mão de suas atividades individuais com amigos e que sacrifica possibilidades pessoais para permanecer a dois é, se não uma visão desastrosa, pelo menos sufocante!
Não há amor que sobreviva sem a possibilidade do crescimento individual, sem espaço para a troca, para a liberdade e para que desejos pessoais possam ser preservados. Quanto maior a capacidade de ficar bem consigo mesmo, menor será a cobrança interior de ter de fazer o que não se gosta e, conseqüentemente, melhor será a qualidade dos momentos onde se escolhe ficar a dois. Há pessoas que passam por terríveis conflitos ao tentar harmonizar as aspirações individuais com o estar a dois: relacionar-se passa então pela via da necessidade e não pela via do prazer.
É como se ainda perpetuassem dentro de si aquela velha tese na qual se nos afastamos, estamos ofendendo o parceiro, deixando-o de lado, desamando... É o amor ligado ao sentido de posse, ciúme. "É melhor que ele fique ao meu lado - mesmo infeliz - do que sair por aí, fora do meu controle..."
Afinal, o medo de ser abandonado ou trocado denuncia um baixo grau de auto-estima. A grande verdade é que só as pessoas pouco maduras e muito dependentes suportam renunciar à sua individualidade para fundirem-se numa simbiose pseudo-romântica talvez pelo temor causado pela sensação de desamparo, própria do estar só. Quem de nós já não ouviu o comentário de que quem não casa está fadado à solidão? Assim é que estamos diante de um fenômeno psicológico tão interessante quanto trabalhoso. O amor romântico pode destronar a vida a dois e levar, como conseqüência à opção do viver sozinho? O amor romântico que se acreditava tudo dá e tudo quer acaba levando a atritos no casamento e revelando-se um modelo inadequado para os nossos dias. Quando percebemos que a dificuldade não está tanto na pessoa a quem nos ligamos mas na forma do vínculo que estabelecemos, temos a chance de reverter o quadro para que o ficar só não seja vivenciado como a melhor opção. O impasse está portanto em fazer com que a vida em comum apresente-se como uma escolha melhor em termos de qualidade emocional.
Somente assim a vida a dois pode sobreviver a todas as tentadoras "vantagens" oferecidas pela condição solitária: dormir e comer na hora que quer, não dar satisfação do que se faz, ter o controle da televisão só para si, ficar no computador quanto tempo quiser, etc. Conseguiremos transformar o casamento para que ele possa ser competitivo em qualidade de vida? Para isto teremos que encontrar uma fórmula onde amor e liberdade possam conviver de maneira conciliadora.
O EU não precisa, necessariamente, desaparecer em favor do NÓS conjugal. Apesar da rotina que esmaga parte dos nossos sonhos debaixo do ter que trabalhar, ganhar dinheiro, cuidar dos filhos, não podemos negar que o casamento pode ter muitos encantos e pode proporcionar belos momentos de felicidade
Para que tais momentos ocorram basta que adicionemos alguns ingredientes fundamentais ao bem viver: amizade, lealdade, cumplicidade e companheirismo e, em contrapartida, abrir mão daquela forma infantil de amor apaixonado regido pelo ciúme, possessividade, impossibilitando a individuação e colocando a culpa dos problemas no outro.
A vida em sua velocidade exige mudanças. Mas nem sempre as permite tão facilmente...

Enfrentar este enigma, eis o desafio!

Katia Horpaczky é Psicóloga Clinica e Organizacional, Psicoterapeuta Sexual, Familia e Casal, Especialista em Workshops Vivenciais e Jogos Organizacionais, Arte-Terapeuta, Practitioner em N.L.P. pelo Southern Institute of N.L.P. e pela Society of Neuro Linguistic Programming. Treinada com a metodologia de OUT DOOR TRAINING pela Dinsmore.
E-mail: katia@rodadavida.com.br
Tel: (11) 5573-6979



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails