segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Para mudar o mundo comece primeiro em você - Caio Cesar Santos

Nos últimos tempos muito se fala sobre sustentabilidade da sociedade e do planeta. Não se pode negar que as alterações climáticas e as crises econômicas estão servindo de alerta para refletirmos sobre as decisões que temos tomado em nossas vidas.

É interessante perceber que depositamos a culpa nos políticos e governantes que não honram a confiança de nossos votos para criar as mudanças necessárias. Mas porque elegemos pessoas com tais valores e atitudes? O que está por detrás disto que não conseguimos enxergar?

Talvez isto seja um reflexo da doutrinação recebida de nossa família, escola, religião, sociedade, mídia etc. que é repassada de forma automática para as gerações seguintes. Desde bebês, quando cometemos nossos primeiros erros, somos repreendidos pelos nossos pais e criamos uma conclusão emocional que: "Errar traz sofrimento! Para não sofrer é mais fácil ocultar o erro, culpar outra pessoa ou criar uma boa desculpa".

Então, quando somos surpreendidos fazendo alguma coisa considerada "errada" sentimos medo e nossa primeira reação é: "Não fui eu!", negando qualquer responsabilidade sobre nossos atos.

Esta falta de "responsabilidade pessoal" nos faz mergulhar em um sistema baseado nas recompensas e punições: se fazemos algo que agrade, somos recompensados e ficamos felizes, caso contrário, somos punidos e repreendidos sentindo medo, tristeza, vergonha e raiva.

Por não ser incentivada, a responsabilidade pessoal é completamente abandonada e passamos a nos comportar segundo os dogmas ou leis da sociedade. Se formos bons filhos(as), alunos(as), profissionais, maridos(esposas) e cidadãos(ãs) estaremos sempre recebendo nossos "biscoitinhos", caso contrário ficamos de castigo, repetimos de ano, somos demitidos, abandonados, multados, processados e até presos.

Quando chegamos à adolescência começamos a questionar tudo, até de forma rebelde, e sentimos uma forte atração de fazer o que é proibido: provar álcool, drogas, sexo, dirigir de forma imprudente, falsificar carteira de estudante para pagar menos, tentar entrar em lugares não permitidos, procurar por "facilidades", trair nos relacionamentos etc. E, se pararmos para refletir, sentimos um conforto ao acusar as outras pessoas, pois nos dá direito a cometer nossos "pequenos deslizes" baseados na crença coletiva "Qual é cara! Todo mundo faz isto!"

E, logicamente, quando somos pegos com a "boca na botija" agimos baseados no medo e voltamos ao velho padrão de não assumir o erro e tentamos dar um jeitinho de escapar ilesos.

A desonestidade que vemos no mundo nasce fora de nós ou é apenas um reflexo nosso? Será que existe separação entre as pessoas ou somos todos frutos da mesma essência? Não estamos tentando tapar o sol com a peneira?

Então onde começa a mudança?

Acusar os outros pela desonestidade e falta de sustentabilidade do mundo é apenas um forma de livrarmos de nossos próprios fardos. A mudança precisa começar em cada um de nós, em nossas vidas pessoais!

Isto não quer dizer que vamos virar santos da noite para o dia, mas se iniciarmos um processo de autoconhecimento e nos questionarmos sobre qual é o nosso propósito nesta breve experiência que é a vida, começaremos a despertar nossa consciência e começaremos a encontrar as respostas do que faz nossas vidas valerem à pena.

A partir daí teremos sabedoria para seguir um caminho sustentável, seremos naturalmente mais felizes e autênticos em nossos relacionamentos e faremos escolhas conscientes para mudar nossas vidas e eleger representantes que sejam reflexo desta mudança para o mundo.

"O mundo é um reflexo meu" - Harry Palmer
"Precisamos ser a mudança que queremos ver no mundo" - Ghandi

Caio Cesar Santos
http://www.decidaserfeliz.com/



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails