terça-feira, 28 de setembro de 2010

Ser Honesto Consigo Mesmo - Vera Lucia Ferreira

Honestidade é um tema complexo e delicado, portanto difícil de ser abordado e até de ser compreendido, pois está sujeito a valores pessoais. O enfoque deste artigo é a honestidade consigo mesmo, significando aqui o olhar-se tão profundamente, a ponto de sermos capazes de ficar diante do que gostamos e rejeitamos em nós mesmos,acolhendo-nos por inteiro, sem julgamentos e com gentileza.

Já foi dito e é sempre repetido que o conhecimento da verdade liberta o homem, referência clara ao conhecimento de Deus.Para que você se torne um ser livre, conhecedor portanto da verdade, antes de mais nada precisa ficar diante de si mesmo. É a maneira que o coloca mais próximo Deus, uma vez que Ele está dentro de você, naquele local sagrado, imutável e sensível ao belo - o seu coração.

Então, aceitar e honrar a verdade é o primeiro passo para a construção de sua auto-estima e você pode fazer isto agora, começando da onde você está. Nada é preciso mudar. Aqui, mudança é conseqüência. Para ajudá-lo nesse reconhecimento e tornar mais fácil a sua percepção, do quanto você se auto-engana, vou destacar alguns tópicos que me chamam a atenção, no meu trabalho como terapeuta e que também foram destacados por H. Palmer, em seu livro Vivendo Deliberadamente.

1 - Sem honestidade consigo mesma uma pessoa:
*Substitui* sentimentos genuínos por pensamentos racionalizados. Ex: Eu posso lhe perguntar: "Como você se sente?" e você pensa: "O que eu deveria sentir?" Ou seja, a sua experiência real e presente é substituída por uma resposta "intelectualizada, explicada e justificada", afastada da realidade de seus sentimentos e emoções verdadeiras.
*Ilude,manipula e camufla* interesses egoistas, que prejudicam seu próximo, exibindo "sentimentos honestos", tais como: "Sua desconfiança me magoa profundamente." ou seja, coloca-se sempre na defensiva.Faz isso de maneiras variadas.
*Diminui* o respeito pelo outro porque não se respeita. Ou seja, uma vez que você não é capaz de olhar os seus eus abandonados e perdidos,assumi-los e repeitá-los conseqüentemente,você não tem como respeitar quem se relaciona com você.

2 - Assim funciona a falta de honestidade consigo mesmo(a):
* Na sua fragmentação, existe uma parte em você mesmo(a) que insiste que é honesta sem mesmo analisar o que está fazendo ou dizendo. Funciona automaticamente:"Eu não fiz isso.", "Isso não tem nada a ver comigo.", "Eu não ajo assim." ,"Não é o meu caso."
É mais fácil para você defender as suas ações do que examiná-las honestamente.
* Você sempre aceita que existe uma boa razão para ser desonesto, mesmo que de forma inconsciente.
Aqui cabe aquele medo que abordei no meu artigo anterior: o medo de quem tememos ser: "você é desonesto consigo mesmo para evitar algo de que você tem medo e você sempre acha que essa é uma boa razão para o auto-engano."
* O seu medo baseia-se em uma crença, em um pensamento limitante que você tem sobre você e, conseqüentemente,na incapacidade que você julga ter para lidar com alguma coisa. Você não tem coragem para ficar diante do que você teme e mente para si mesmo(a).
* A crença, responsável pelo seu medo, quase sempre está camuflada pelas defesas que você construiu para protegê-lo(a) da "vergonha" que você tem da "humilhação", em ter que encará-la.
* Aos poucos você se torna um "fingido" e canaliza toda a sua energia na construção de uma falsa identidade, que você precisa manter e encenar, para que a mentira se torne "verdade", para você e para o outro.

3 - As conseqüências da não honestidade consigo mesmo(a) são:
* Como você "finge" se sente culpado e, para se defender de sua culpa, você projeta nas outra pessoas a responsabilidade pelos fatos, ações, pensamentos, sentimentos e intenções que você reluta em expressar.
* Você projeta no outro e no mundo a sua desonestidade secreta, que acaba por retornar para você nas ações de estranhos.É a lei da atração!

4 - O que fazer para tornar-se honesto consigo mesmo(a):
* Ter uma atitude de encarar e lidar com o que você considera perigoso, difícil e doloroso, ao invés de fugir(fingir). É a atitude que chamo de coragem - agir com o coração.
* Lembrar que fingir é cansativo e drena a sua energia. Isso porque é uma tentativa de demonstrar alguma coisa que é diferente do que você sente, pensa e acredita.
* Descobrir o medo que está oculto por trás do seu fingimento.Nada como respirar o ar puro para encarar um ato desonesto e dizer: " Eu fiz isso porque estava com medo!"
Quando você fizer isso, terá dado o primeiro passo e poderá trabalhar sobre você mesmo(a), tornando-se uma pessoa íntegra, verdadeira e compromissada consigo mesma.

Não esqueça que todos nós nascemos com uma centelha divina, que brilha a todo momento que expressamos o melhor de nós. Reconhecê-la resulta no estabelecimento de relacionamentos autênticos com o nosso próximo, conosco mesmos e com o mundo. Deixamos de lado a falsidade, a mentira, a competição e as substituimos por autenticidade, disponibilidade e cooperação. O sentimento de unidade com o outro toma o lugar dos sentimentos que nos separam.

Ser honesto consigo mesmo(a) é um reconhecimento de seu vínculo com a Fonte. Nada precisa ser temido porque você está na Paz de Deus.

Vera Lucia Ferreira é psicóloga, renascedora e mestre de Reiki.
Tels para contato: 213350-2843 / 2193027394
Sites: www.luzreiki.com.br / www.renascendo.com.br



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails