terça-feira, 30 de novembro de 2010

Por Que Paciência? - Leontina Rita Acorinti Trentin

Somos acostumamos a dar conselhos aos outros sempre deixando muito bem claro a necessidade eminente da paciência, pois, sem ela, a calma se afasta de nós, abrindo espaço para o desespero.

Conseqüentemente trará dor e revolta agravando ainda mais nossos problemas e, pior ainda, irá retardá-los. Assim, nos sentimos os verdadeiros heróis da raça humana por estarmos ajudando necessitados com tanta presteza.

Entretanto, quando é requerida a mesma paciência a nós outros e somos chamados à experiência necessária de vida, os pórticos de nossos corações abrem-se para recebermos turbulências e temporais de emoções em desajuste. Esquecemos de tudo: da calma, do entendimento, do equilíbrio... Jogamos na lata de lixo tudo o que aprendemos e acreditamos ser o suficiente, pois o praticar demanda muito esforço, perseverança e o “querer”, ainda assim nos achamos os melhores, os experts.

Passamos a ser o mocinho da história para não dizer o coitadinho, porque em se falando de perfeição pegamos a fila várias vezes.
Engraçado! E infelizmente é a pura realidade.

Passamos recibo para a injúria, para o desaforo, para a rebeldia, para a maldade, por conta de acontecimentos necessários a nossa evolução...
E não nos atentamos a isso, somos pegos de surpresa.

Felizmente alguns, após o momento da tempestade, caem em si e percebem que poderia ter sido diferente, não havia necessidade de tamanho descontrole. Esses buscam redimir-se antes tarde do que nunca.

No entanto, infelizmente isto não acontece com a maioria, nem mesmo se dão conta de que erraram, muito menos das farpas afiadas usadas para o ataque e o contra-ataque. Vou mais longe, talvez até o próprio agressor fomos nós e jogamos inexoravelmente a culpa no outro, seja ele quem for. É mais fácil.

Caiamos na realidade, a paciência, a calma, a compreensão vêm de dentro para fora, e não das situações que vivenciamos e presenciamos. Ledo engano, dizer que estamos irritados devido ao que nos fizeram.

Se estamos descontrolados é porque nosso interior não estava bem. Ou seja, só faltava uma faísca para atear fogo e explodir o nosso pavil curto, estávamos no aguardo do momento oportuno para jogarmos nosso fogo, labaredas e tudo no primeiro que aparecesse.

Queridos, saibamos buscar o conforto na espiritualidade, nos mentores de luz que nos acompanham, nas vibrações positivas que devemos buscar para estar em sintonia com eles, permitindo que a paciência e a resignação esteja em nós. O pensamento é tudo, tem força e poder, quando damos vazão a estes negativamente atraímos negatividades e toda sorte de dificuldades que vier. Contudo, o contrário também é verdadeiro. Quanto mais pensarmos no belo, no amor... atrairemos a mesma sintonia.

È Importante que saibamos mudar nossas sintonias negativas para positivas, com firmeza e vigor pensando em tudo de bom que temos e somos, no que desejamos, para que possamos enxergar a realidade dos fatos e acontecimentos que geralmente nos passam despercebidos no dia-a-dia. E, não somente saibamos dar conselhos. Devemos sim oferecê-los sempre, mas muito mais, praticá-los.

Indubitavelmente jamais deveremos esquecer que a prece nos aproxima da luz, que por sua vez nos enche de direcionamentos que trarão a seu tempo muitas felicidades.

Respondamos então o porquê da paciência: a paciência significa suportar as dores, os infortúnios, sem queixas e com resignação para aprender com ela.

E por que suportar tudo sem reclamações? Digo-vos sem reclamações, mas, entendam não como uma avestruz que enfia a cabeça na terra para não enfrentar os problemas e sim, como um ser que sofre, mas luta almejando momentos melhores, e, diz para si mesmo “eu vou vencer”. Já sabemos que tudo o que nos acontece tem um fundo de necessidade, visto que todos os problemas são de alguma forma pagamentos de uma divida contraída por nós mesmos em outrora, bem como, um grande aprendizado do nosso “eu” espiritual, pois não aprendemos sem sermos colocados à prova.

Prova de quê? Da paciência, do entendimento, do controle, do equilíbrio e muito mais...

Vamos refletir mais, criticar menos, apoiar mais, desta forma receberemos na mesma medida na balança da vida.

O universo é sábio, devolve para nós o que enviarmos a ele.

No amor e na luz.

Leontina Rita Acorinti Trentin
http://www.institutoatlantida.com.br



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails