quinta-feira, 28 de abril de 2011

Até Que Idade Um Ser é "Educável"? - Zíbia Gasparetto

Envolvida pelas atividades do dia a dia, a maioria das pessoas se volta mais às necessidades básicas, preocupando-se em administrar bem a família, a profissão... Enfim, todos os desafios que ameaçam seu bem-estar, procurando manter a situação estável e conservar a paz. E nada mais justo do que essa vontade de assumir suas responsabilidades em prol de conquistar uma vida melhor.
Contudo, nem sempre alcançamos nossos objetivos. A desilusão, o desencanto e a falta de motivação dificultam o caminho. E o fato de as pessoas serem diferentes umas das outras - e cada uma ter uma maneira própria de buscar o próprio rumo - cria barreiras de relacionamento.
Se você está vivenciando essa realidade, convém refletir. Sentir o mais importante a fazer e quais providências tomar a fim de reverter essa situação. Para começar, é fundamental aceitar as diferenças.
Nós somos espíritos eternos que viemos de outras vidas, outras experiências e, ao voltarmos a nascer na Terra, trazemos uma programação de probabilidades que dependem do nosso arbítrio e do nosso desempenho.
Nesse processo, instintivamente nos voltamos a essas realizações que são de nossa responsabilidade e que, muitas vezes, os outros não entendem. Alguns pais e mães, por exemplo. Determinados a desempenhar bem suas funções, ignoram a vocação dos filhos e buscam impor suas ideias, pois acreditam que seja o melhor ou até por desejarem que os filhos realizem o que eles sonhavam e não conseguiram.
Assim, não buscam conhecer o que os filhos sentem. Desejam e direcionam sua formação profissional voltada ao que dá mais resultado financeiro, acreditando que assim eles serão felizes. Ocupados em realizar suas obrigações no materialismo do mundo, nem sempre os pais encontram tempo para se dedicar ao estudo dos eternos valores do espírito junto com os filhos.
Pois, ao nascer de novo, o espírito esquece temporariamente o passado e recebe, com o corpo de carne, um cérebro virgem no qual começarão a ser gravadas as primeiras experiências da nova vida.
São nos primeiros anos que os pais possuem a chance de plantar os valores do bem. Pois quando a criança está entre 12 e 14 anos, vai tomar posse total da nova encarnação e passará a receber a influência de suas outras vidas - influência essa que estava adormecida em seu inconsciente.
Em seu íntimo, confrontará os valores que tinha antes com os que aprendeu nessa nova vida. Usará seu arbítrio para escolher seu caminho. Ou seja, a chance de boa formação da criança acaba aos 14 anos. Fica muito difícil aos pais ou educadores conseguirem um bom resultado depois dessa idade. Então, só a vida, com seus desafios, terá o poder de ensiná-lo.
Portanto, se você ainda não acordou para essa realidade, pense nisso. Procure entender essas diferenças, que possibilitarão concretizar seus objetivos de progresso de uma maneira mais satisfatória. E reconquiste o entusiasmo, a alegria de viver, de sentir o prazer do sucesso, desfrutando de todo bem que merece e veio buscar. É isso que eu desejo a você e a toda a sua família.
Deixam de construir uma ligação espiritual de união e de consenso, que ajudaria a formar o caráter e a personalidade dos pequenos, transformando-os em cidadãos conscientes, atuantes e participativos, que contribuem para a melhoria da sociedade. Já quando os pais procuram, desde muito cedo, entender o sentimento dos filhos, têm em mãos a melhor oportunidade de perceber seus pontos fracos e discipliná-los a fim de que cresçam mais equilibrados.

Zíbia Gasparetto



Um comentário:

Related Posts with Thumbnails