sexta-feira, 20 de maio de 2011

Poder Feminino: Use Com Moderação - Leila Navarro

Conforme a mulher começou a fazer sucesso no mundo corporativo, algumas características tipicamente femininas entraram em evidência e passaram a ser muito valorizadas. Flexibilidade, percepção das necessidades dos outros, criatividade, espírito cooperativo e capacidade de fazer várias coisas ao mesmo tempo são alguns traços do "jeito feminino de ser" exigidos de quem deseja evoluir nas empresas do mundo globalizado - e isso vale para os homens também.

Nós, mulheres, podemos nos considerar privilegiadas porque essas características são naturais em nós, mas atenção: levadas a extremos, elas podem dificultar a ascensão na empresa.

Não há dúvida de que a flexibilidade é um grande trunfo nesses tempos imprevisíveis, em que tudo muda de uma hora para outra e requer rápida adaptação às novas circunstâncias. O mesmo jogo de cintura com que agimos quando a empregada falta ou amigos aparecem em casa bem na hora do jantar nos permite armar um plano B, C, D e quantos forem necessários quando um fato novo surge e obriga a rever a estratégia no trabalho. Some-se a isso nossa incrível capacidade de fazer várias coisas ao mesmo tempo: se conseguimos ter uma carreira, administrar a casa à distância, participar da vida dos filhos e manter um casamento, atuar em vários projetos profissionais simultaneamente não é nenhum mistério. Nossa flexibilidade e capacidade "multitarefa" são realmente fantásticas, mas precisam ser balizadas pelo senso de prioridade e a objetividade. Sem isso, podemos mudar tanto que não conseguimos concluir nossos projetos... ou fazer muitas coisas ao mesmo tempo sem priorizar a que é mais importante.

A facilidade que temos em perceber as necessidades dos outros e nosso espírito cooperativo ajudam a manter bons relacionamentos com colegas de trabalho, parceiros de negócios e clientes, o que é fundamental hoje em dia. Mas isso não significa que temos de colocar as necessidades dos outros em primeiro plano, nem deixar falar aquela verdade que pode ferir os sentimentos alheios, muito menos fazer vista grossa para os erros dos outros. Ser compreensiva demais e tentar manter a harmonia a qualquer custo não nos levará a lugar nenhum! Temos de saber equilibrar essas características com a assertividade, sendo capazes de defender nossos interesses, afirmar nossas opiniões e dizer NÃO quando necessário.

Nesses tempos em que as empresas precisam inovar constantemente, a criatividade feminina dispensa comentários, não? Ela tende a se destacar em nós porque é da natureza da mulher utilizar mais o hemisfério direito do cérebro, ao qual estão associadas a imaginação, a intuição, a subjetividade e as faculdades artísticas. O cuidado aí é associar a criatividade com o senso de realidade, pertinência e pé no chão. Produzir muitas idéias, mas nenhuma que se aproveite, não produz os resultados que as empresas esperam de nós.

Os "poderes" femininos são altamente interessantes e bem-vindos nas organizações, mas temos de saber usá-los com moderação. Ou melhor: temos de equilibrá-los com os "poderes" masculinos da objetividade, assertividade, liderança, autonomia e razão. Pelo visto, não são apenas "eles" que têm algo a aprender conosco, mas também nós temos algo a aprender com "eles". E viva a diferença!

Leila Navarro - Palestrante



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails