terça-feira, 7 de junho de 2011

O Maior dos Tesouros - Elisabeth Cavalcante

O tesouro mais valioso que o ser humano deveria ambicionar, conquistar, é a sua dignidade. Mas ela só pode existir na presença de um elemento essencial, que é a consciência.

Aquele que permanece inconsciente de seu próprio poder interior, torna-se presa fácil dos manipulares e se submete sem qualquer reflexão, às exigências provenientes do mundo exterior.

Ele é facilmente reconhecível por aqueles que possuam uma mínima capacidade de observação. Amolda-se a qualquer regra, sem nenhum questionamento, para garantir a aprovação e a estima dos demais.

Nem sequer percebe que está sendo usado por variados interesses e, um dia, pode ser surpreendido pelo descarte puro e simples daqueles a quem imaginava agradar.

A dignidade não permite que nos submetamos a circunstâncias em que o respeito à nossa condição humana esteja ausente. Quem confia no direcionamento ditado por sua consciência, está disposto a pagar o preço que for preciso para manter-se fiel a si mesmo.

Os relacionamentos que estabelecemos ao longo da vida, - sejam sociais, profissionais ou afetivos -, constituem o principal campo de provas para o exercício de nosso auto-respeito.

Abrir mão de nossa dignidade para ser aceito por quem quer que seja, é o caminho mais fácil para a dependência e a escravidão.

É essencial que busquemos, a cada momento, encontrar dentro de nós a resposta a este simples questionamento: estou vivendo em sintonia absoluta com minha dignidade?

Se não conseguirmos obter um sim a esta pergunta, é hora de começar a repensar a maneira como temos enxergado nosso próprio valor.

"Zarathustra divide a evolução da consciência em três símbolos: o camelo, o leão e a criança.
O camelo é um animal de carga, pronto para ser escravizado, nunca rebelde. Ele jamais consegue dizer 'não': é um crente, um seguidor, um escravo fiel. Este é o mais baixo nível da consciência humana.
O leão é uma revolução.
O princípio da revolução é um sagrado 'não'.
Na consciência do camelo, há sempre uma necessidade de alguém conduzir e de alguém para lhe dizer: "Tu deves fazer isto". Ele precisa dos Dez Mandamentos. Precisa de todas as religiões, de todos os sacerdotes e de todas as escrituras sagradas, porque ele não pode confiar em si mesmo; não tem nem coragem e nem alma e nem qualquer desejo pela liberdade: é obediente.
O leão é um anseio profundo pela liberdade, um desejo de destruir todos os aprisionamentos. O leão não tem necessidade de nenhum líder - ele é suficiente em si mesmo. Não permitirá que ninguém diga a ele: "Tu deves".- isto é insultante para o seu orgulho. Ele só pode dizer: "Eu quero". O leão é responsabilidade e um tremendo esforço para se livrar de todos os aprisionamentos.
Mas, mesmo o leão não é o mais alto pico do crescimento humano. O mais alto pico é quando o leão passa também por uma metamorfose, e se torna uma criança. A criança é inocência. Não é obediência, não é desobediência; não é crença, não é descrença: é pura confiança; é um sagrado 'Sim!' à existência e à vida e a tudo que esta contém.

... Zarathustra é absolutamente a favor do espírito forte. Ele é contra o ego, mas não contra o orgulho. O orgulho é a dignidade do homem. O ego é uma entidade falsa e não se deve pensar neles, jamais, como sinônimos.
O ego é algo que o priva da sua dignidade, que o priva de seu orgulho, porque o ego tem de depender dos outros, da opinião dos outros, do que as pessoas dizem. O ego é muito frágil. A opinião das pessoas pode mudar e o ego desaparecerá no ar.

... Zarathustra deixa absolutamente claro que ele é a favor do homem forte, do homem corajoso, do aventureiro que entra no desconhecido, por caminhos não trilhados, sem nenhum medo. Ele é a favor do destemor.

... A mais baixa consciência no homem é uma deformidade: ela quer ser escravizada - ela tem medo da liberdade, porque tem medo da responsabilidade;

... A mais baixa consciência do homem permanece ignorante e inconsciente, alheia, adormecida - porque, continuamente, está sendo dado a ela o veneno da crença, da fé, do nunca duvidar, do nunca dizer não. E um homem que não pode dizer 'não', perdeu a sua dignidade.

... Não se consegue fazer de um leão um animal de carga.
Um leão tem uma dignidade que nenhum outro animal pode suster; ele não tem qualquer tesouro, qualquer reino; sua dignidade está apenas no seu estilo de ser - destemido, sem medo do desconhecido, pronto para dizer 'não', até mesmo sob o risco de morte.

... E somente depois do leão - depois do grande 'não'-, o sagrado 'sim' de uma criança é possível.

... Há momentos, até na vida daqueles que estão tateando no escuro e na inconsciência, quando, exatamente como um relâmpago, algum incidente os acorda... e o camelo não é mais um camelo: uma metamorfose, uma transformação acontece.
Gautama Buda deixou seu reino quando tinha vinte e nove anos de idade, e a razão foi um súbito relâmpago: e o camelo se tornou um leão.

... A existência tem um interesse no investimento do seu despertar, porque o seu despertar vai acordar muitas pessoas.
E, como uma regra geral, toda a consciência da humanidade será afetada por isso. Isso imprimirá algo de sua grandiosidade em cada ser humano inteligente. Talvez possa criar o anseio profundo pelo mesmo, em muitos - talvez a semente possa começar a germinar. Talvez, aquilo que está dormente se torne ativo, dinâmico.

... Um homem que tenha um espírito rebelde - e sem um espírito rebelde, a metamorfose não pode acontecer - tem de dizer:.quero fazer seja o que for que a minha consciência sinta ser certo, e não quero fazer seja o que for que a minha consciência sinta ser errado. Exceto meu próprio ser, não há nenhum outro guia para mim.
... O leão não pode por si mesmo criar novos valores, mas ele pode criar a liberdade, a oportunidade na qual novos valores podem ser criados.
E quais são os novos valores?
Por exemplo: o Novo Homem não pode acreditar em nenhuma discriminação entre os seres humanos. Este será um novo valor: Todos os seres humanos são um só, a despeito da sua cor, a despeito da sua raça, a despeito das suas geografias, a despeito da sua história. Apenas "ser humano" é o suficiente.

... a verdade não é um brinquedo, você não pode comprá-la pronta... Você terá de procurá-la nos silêncios mais profundos do seu próprio coração. E, exceto você, ninguém mais pode ir lá.

... E onde quer que você fique sentado silenciosamente, meditativamente, amorosamente, você cria um templo de consciência ao seu redor. Você não precisa ir a lugar algum para adorar, porque não há ninguém mais elevado do que a sua consciência, a quem você deva fazer qualquer adoração.

... O verdadeiro sábio novamente se torna uma criança.
O círculo está completo - vir da criança de volta para a criança.
Mas, a diferença é enorme.
A criança, como tal, é ignorante. Ela terá de passar através do camelo, através do leão e voltar, novamente, para a criança - e esta criança não é exatamente a velha criança, porque ela não é ignorante. Ela atravessou todas as experiências da vida: da escuridão, da liberdade, de um impotente "sim", de um feroz "não" - e, não obstante, se esqueceu de tudo aquilo.
Isso não é ignorância, mas inocência. A primeira infância era o começo da jornada. A segunda infância é o complemento da jornada.

As Três Metamorfoses do Espírito -(Comentários de Osho sobre o Zarathustra de Nietzche)


Elisabeth Cavalcante é Taróloga, Astróloga, Consultora de I Ching e Terapeuta Floral.
Email: elisabeth.cavalcante@gmail.com



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails