terça-feira, 2 de agosto de 2011

Perdas ao Longo da Vida - Maria Isabel Carapinha

Quanta energia dispendida em assuntos passados, que nem mesmo fazem parte de sua vida há anos! Sim, somos atraídos por sentimentos que não se modificam por anos, e sofremos, sim, como se aquele fato tivesse ocorrido hoje... e por que isso ocorre?
Ocorre porque sua energia, naquele momento em que o fato ocorreu, fica presa e estagnada a este tipo de fenômeno energético chamamos de bloqueio.

A somatória de diversas perdas ao longo de sua vida fazem com que o seu estado hoje possa ser de depressão, tristeza ou até mesmo um negativismo que faz com que a vida seja vista de forma que não vale a pena.

Isso tudo é muito triste, mas muitas pessoas que se encontram nesta situação nem têm noção que é possível sair dela, de tornar as coisas mais fáceis e poder enxergar a vida com o brilho que lhe é peculiar.

O processo inicial de cura se dá quando admitimos que temos um problema e que precisamos nos cuidar, a sua verdade, a verbalização do que sente e a eliminação das máscaras e fingimentos, será o único caminho que o levará à paz interior e à completa ligação com o Universo, com o Supra Consciente. Com esta ligação estabelecida, tudo pode ser obtido na vida e tudo se torna muito mais fácil para você.

Esta ligação plena com o Universo significa na linguagem que estamos acostumados hoje ao seguinte: o Universo tona-se um Google Universal, ou seja, através da ligação de nosso Supra Consciente liberto de bloqueios emanamos o que desejamos para nossa vida e o Universo após a busca nos traz aquilo que solicitamos.
Que forma fácil de viver! Sim, isso é possível e está disponível e ao alcance de todos; para tanto, temos apenas que nos libertar do negativismo e de nossos bloqueios.

As perdas existem na vida de todo ser humano, elas podem vir de várias formas, como a perda de um ente querido, a perda de dinheiro por negócios mau planejados, a perda de um grande amor, a perda de um emprego, a perda de nossa auto-estima e poder pessoal por situações vividas no nosso dia-a-dia. A perda de nossa vontade de viver pode vir até por processos de rejeição contínuos ao longo de nossa vida.
Todas as perdas devem ser vivenciadas em toda sua intensidade energética, pois sem dúvida nenhuma, elas nos consomem, mas jamais podemos deixar a nossa energia presa ao momento em que um destes fatos aconteceu. Se isto ocorrer, você deixará de viver a sua vida na plenitude que lhe é peculiar.

Algumas pessoas se enganam acreditando que a felicidade pode ser criada somente no seu exterior e todas as circunstâncias à sua volta devem atender aos seus desejos e, quando isso ocorrer, a felicidade fará parte de sua vida. Porém, ao longo de nossas vidas, observamos e aprendemos que a felicidade está dentro de nós. Aprendemos que somos os únicos responsáveis por nossa felicidade. Temos, então, que criar uma vida feliz dentro de nós para que, deste modo, tudo que está ao nosso redor se tome um colorido diferente. Isso somente é possível quando eliminamos de nossa vida o sofrimento e o negativismo.

Uma coisa muito importante a ser salientada é estarmos sempre alertas ao fato de nos tornarmos vítimas do mundo, ninguém e nenhuma situação é responsável por seu estado de espírito hoje. Transmute o que sente e sentirá assim uma nova forma de viver se desabrochando para você!
A felicidade é o objetivo final da vida de todo o ser humano e, para atingi-la, basta eliminar a infelicidade de sua vida.

A mesa radiônica tem exatamente esta função de eliminar os bloqueios energéticos que fazem com que a sua vida não ande da forma como você desejaria; ela proporciona o completo equilíbrio de suas frequências energéticos, fazendo com que a sua vida seja colocada em Ordem Divina.

Há algumas semanas, atendi uma moça que se sentia muito infeliz, não conseguia realizar o seu sonho de passar em um concurso público; havia estudado direito e queria a qualquer custo ser promotora de justiça. Sentia de coração que se aquilo não se realizasse, sua vida não teria sentido. Veja só, neste ponto, ela estava colocando a felicidade no seu exterior. Continuei a ouvi-la pois o desabafo faz parte sempre do processo de cura, já que trazemos para a consciência sentimentos mascarados que guardamos há muito tempo.

Observei a sua forma de se vestir e se comportar e ali percebi que sua auto-estima também não existia. A parte feminina de se sentir bonita e desejada praticamente não existia em sua vida. Andava de abrigo e tênis, com os cabelos presos, sem brincos, sem batom, nada que faz parte da vida de nós, mulheres. Imagine uma mulher com auto-estima em dia sair sem um desses adereços! É como se aquilo fosse incomodá-la o dia todo. Para aquela moça, aquilo nem fazia parte de sua vida, ela se recolhia em seu quarto e estudava dia e noite para passar no concurso e isso não acontecia, dizia que quando chegava a hora da prova lhe dava um branco.
Comecei, então, o tratamento com a mesa radiônica e verificando os bloqueios encontrei três registros em épocas diferentes mas que tinham por trás sempre a mesma circunstância de nã-aceitação pessoal e dificuldade extrema de convivência em sociedade, devido a processos de rejeição intensa desde o momento de seu nascimento.

Trabalhei na mesa radiônica todos os processos de rejeição e sugeri a ela que começasse a pensar sobre o seu visual, que na verdade estaria associado ao seu marketing pessoal e a pensar na possibilidade de procurar um emprego. De imediato, ela reagiu de forma contrária. Assim, expliquei-lhe: "você acabou de passar por um processo de tratamento e desbloqueios de suas energias, irá observar nos próximos dias que o seu comportamento e forma de enxergar a vida se modificarão". Ela não estava acreditando muito, eu apenas pedi a ela que se observasse nos próximos dias, e a convidei a participar de meu curso básico de radiestesia e do curso avançado de mesa radiônica, onde ensino a modificar os padrões vibracionais e trabalhar objetivos pessoais.

Passados sessenta dias, esta moça me ligou marcando uma nova consulta. Achei que o prazo estava uma pouco longo para que nada tivesse acontecido, marquei a consulta. Quando ela chegou ao meu consultório era outra pessoa, bem vestida, tinha até um batom nos lábios, disse estar trabalhando em um escritório de advocacia e muito feliz. Os concursos passaram a ser o seu hobby e a bagagem adquirida por todo aquele estudo estava lhe dando um projeção profissional que nunca imaginara. Então, disse-lhe: "você eliminou as perdas de sua vida e passou a não se esconder atrás de algo que nem mesmo era o seu ideal e, sim, uma forma de não se mostrar ao mundo para não ser rejeitada novamente".

Maria Isabel Carapinha
E-mail: isabelc@uol.com.br



Um comentário:

  1. As perdas deixam marcas terríveis,mas a vida continua.Viver no passado realmente só ira nos fazer mal.O melhor é buscar meios para não entrar em depressão.Perdi pessoas queridas,hoje tenho as boas lembranças de um tempo.Mas nada que possa me prejudicar.Querendo ou não a dor fica calada.Mas a vida continua.
    Adorei seu texto e seu blog já sou seguidora.
    Tenha uma linda quarta-feira com energias teluricas.

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails