sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Sou Dependente do Namorado - Dado Moura

A fase mais interessante na vida do ser humano é quando este percebe sua capacidade de viver a troca da experiência promovida pelo amor. A água, o ar e o alimento são tão vitais para nosso organismo como são para o nosso espírito o carinho e a atenção.

Alegra-nos saber que temos a capacidade de nutrir o viver do outro com aquilo que emana do nosso coração. Com isso, os nossos relacionamentos ganham uma característica mais abrangente. Se, anteriormente, sabíamos conviver bem como amigos; identificamos, agora, o “denominador comum” dos mais nobres sentimentos que vão além da simples amizade.

Para algumas pessoas, o início de um namoro pode significar a liberdade esperada. Para outras, o namoro que deveria ser um complemento na vida da pessoa, se transforma em um “divisor de águas”, separando a pessoa do proprio meio social em que se vive, dos amigos e às vezes até do convívio com os familiares. Dentro de um relacionamento em que as pessoas se dizem amar mutuamente, não será saudável permitir a ruptura com outros tipos de relações que anteriormente eram mantidas. Para algumas pessoas, o início do namoro parece significar a privação das amizades ou o abandono de outras atividades de lazer.

Entendo que o relacionamento entre namorados deverá estar fundamentado nos alicerces da confiança e da sinceridade. Nutrir os sentimentos de alguém e mantê-los vivos é uma tarefa que exigirá dedicação, comprometimento e equilíbrio. Para isso, não se faz necessário alguém se anular ou viver aquilo que o outro deseja que seja vivido. As demonstrações de carinho no tratamento, no diálogo e na vivência do romantismo são também atributos de um apaixonado. O namoro não pode aprisionar ou controlar a liberdade de quem amamos. Aquele que ama não aprisiona a pessoa amada em suas “celas” de ciúme, inseguranças, egoísmos ou caprichos!

Em alguns casos, um dos enamorados vive como um satélite, “orbitando” ao redor do outro. A falta de equilíbrio a respeito dos fatos que emergem dessa relação, pode ofuscar a visão do mais apaixonado ou desvirtuar os objetivos dos mais carentes, levando-os a viver a dependência, – pouco saudável –, do ser amado. Isto é, a namorada somente faz determinada atividade após a aprovação do namorado ou vice-versa. Às vezes, a dependência chega a ponto de consultar a opinião do outro para se fazer as coisas mais simples, que antes eram feitas por conta própria.

Acredito que, ao contrário do que se possa pensar, tais casais que estão vivendo essa situação, se encontram fechados à experiência da reciprocidade em amar e ser amados. Algumas vezes, percebemos que a reciprocidade nos relacionamentos não parece ser tão proporcional quanto se deveria. Podemos estar vivendo um relacionamento mantido apenas pela “força gravitacional” da nossa carência, ou talvez, outros fatores ganharam maior relevância dentro do relacionamento que não o conhecer e o se fazer conhecido. Antes que se torne uma dependência doentia, é interessante avaliar em nossos relacionamentos os verdadeiros motivos que nos prendem a outra pessoa.

Um abraço

Dado Moura
www.dadomoura.com



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails