quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Convite ao Despreendimento - Joanna de Ângelis - Por Divaldo Franco

“Não ajunteis para vós tesouros
na terra, onde a traça e a ferrugem
os consomem, e onde os ladrões penetram
e roubam…”
(Mateus: capítulo 6º, versículo 19.)

Desprendimento na qualidade de desapego,
não de estroinice nem dissipação.

Todo e qualquer motivo que ata
à retaguarda sob condicionamentos
retentivos se transforma em cadeia
escravizante.

Os objetos a que o homem se apega
valem os preços que lhes são emprestados,
constituindo-se elos a impedirem o avanço
do possuidor, na direção do futuro…

Desapego, portanto, em forma de libertação
do liame pessoal egoístico e tormentoso
que constitui presídio e patíbulo para quem
se fixa negativamente como para aquele que
se faz sua vítima afetiva.

Libertar-se das aflições constritivas,
asfixiantes, para marchar com segurança.

Doa com alegria quanto possas, generosamente.

O que distribuis com equilíbrio e lucidez
multiplica-se, o que reténs reduz-se.

Abundância, como excesso engendram
miséria e loucura.

Distende assim, mão generosa na alfândega
da fraternidade, mas libera-te da emotividade
desregrada, da posse afetuosa a objetos,
animais e pessoas, porqüanto mais carinhos
que te mereçam, mais devoção que lhes dês, chegará

o dia de atravessares o portal do túmulo,
fazendo-o em soledade, livre de amarras
ou jungido ao que se demorará, a desgastar-se
pela ferrugem, pelo azinhavre, corroído
ou simplesmente em trânsito por outras mãos
ante a tua tormentosa impossibilidade
de reter e interferir.

Joanna de Ângelis - Por Divaldo Franco



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails